Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Projeto Minha cidade em cordel: TERESINA - PIAUÍ
15/07/2020 13:08 em Coluna do Cordel

A Capital da Cajuína 

A Morada do Sol

Projeto: Minha cidade em cordel

Autor: IVALDO BATISTA  

 

Aqui vou compartilhar

Essa poesia rimada

Uns versos pra Teresina 

Que está imortalizada 

Na canção de um baiano 

Em “Cajuína” Caetano 

A deixou eternizada. 

 

Teresina idolatrada

Alvo de paixão imensa

Sobre tuas qualidades

A relação é extensa

É terra que dou valor

Ouvi de um morador

Que vive hoje em Valença.

 

Torquato Neto licença

Entrei no teu Piauí

Poeta da Tropicália

Dedico tudo  aqui

A você que oferecia

Ao Brasil tua poesia

No cordel lembrei de ti.   

 

Num tempo bom que vivi

Ouvi sobre Teresina

 Uma viagem de trem

Um roteiro que ensina

Quem cantou foi Gonzagão 

Teresina ao Maranhão 

Tanta cidade declina. 

 

Capital da cajuína 

Teresina tem dois rios

O Poti e o Parnaíba

Enfrentam seus desafios

Mesopotâmia é aqui

Este Nordeste que eu vi

Merece os elogios.

 

Nos causa ainda arrepios

E calafrios de tuia

Aos passar por essas margens

Não vi Crispim, aleluia!

Eu fiz minha oração 

Supliquei por proteção

Contra “O Cabeça de Cuia”.

 

Do meu barco de imbuia

A “Cidade verde” eu vejo

No calor desse teu sol

Eu aproveito o ensejo

Por seres tão nordestina

Vou te dizer Teresina

O quanto eu te cortejo.

 

Há muito tempo pelejo

Agora eu consegui

Depois de fazer turismo

No Estado do Piauí 

De forma tão natural

Falei dessa capital

De tudo que descobri.

 

Foi assim que decidi

Primeiro vim passear

Andei por todo Estado

E depois de observar

Amei a terra eu confesso

Resolvi por tudo em verso

E quis aqui demonstrar.

 

Ao sair do meu lugar

Deixei meu torrão Carpina

Vim passear nessa terra

Que a noite a lua ilumina

De dia o sol nosso rei

Preferiu você eu sei

Pra te esquentar Teresina.

 

Passada a festa junina

Eu assumi o meu posto

O folheto que escrevi

Foi com vontade e com gosto

Vencida a pandemia

Agora é só alegria

Com teu niver em agosto.

 

Esse folheto exposto

Revela quem estudou

A tua história querida

O teu povo me mostrou

Teu passado grandioso

Que Deus do céu poderoso

Foi quem te abençoou.

 

Teresina se formou

Num ambiente propício

Feito Recife com rios

Do governante Maurício

Mesopotâmia de amantes

Nordeste dos navegantes

Teresinense é fenício.

 

Assim foi nosso início

Teresina é povoada

No século dezessete

Ali está registrada

Com Domingo Jorge Velho

Jesuítas e evangelho

Bandeirantes na entrada.

 

Assim era iniciada

Implantou-se uma feitoria

Um criatório de gado

Uma Igreja chegaria

Nesse começo tão raro

A Senhora do Amparo

Essa terra protegia.

 

Tanta coisa já havia

Foi um século promissor

E no século dezoito

Um projeto criador

Ao litoral causou raiva

José Antônio Saraiva

Foi muito inovador.

 

Foi o elaborador

Do projeto pioneiro

Esse tal José Antônio

“Saraiva” O conselheiro

Deu vida a esse chão

Até hoje o cidadão

Prestigia o guerreiro.

 

Teresinense altaneiro

Dessa nação nordestina

O influente Saraiva

Só cumpriu a sua sina

Deu pra província real 

Uma bela capital

Nossa amada Teresina.

 

Era Teresa Cristina

A imperatriz amada

Mulher do Imperador

Que foi homenageada

Lutou pra ver Teresina

Essa luta então termina

Depois de homologada.

 

Foi oficializada

A data da fundação

Dia 16 de agosto

Temos comemoração

No ano cinqüenta e dois (1952)

Muitas festas vêm depois

Pra fazer celebração.

 

Pela localização

E navegabilidade

Do Poti e Parnaíba

Que correm pela cidade

Rios que garantem a vida

Teresina é verde e vida

É viver com qualidade

 

A data na realidade

Da tal lei provincial

Foi dia vinte de julho

Isso é documental

Tal qual o povo queria

Mudou-se a categoria

Pra cidade e capital.

 

Mas ponho um ponto final

Nesse tema abordado

O niver de Teresina

Conforme foi acordado

Isso é coisa aceita

E não pode ser desfeita

Por que foi convencionado.

 

Longe do mar agitado

Teresina é central

A trezentos e quarenta

Km do litoral

O piauiense adora

Até hoje comemora

Teresina capital.

 

Possui clima tropical

No local dizem: Há risco

Tem incidência de raios

Sou corajoso e arisco

Vou visitar minha amada

Que está bem situada

Na Chapada do Corisco.

 

Imploro a Deus um chuvisco

Pra aliviar o calor

Entre setembro e dezembro

Parece até um vapor

É alta temperatura

Teresina é quentura

É Sol forte sim senhor.

 

É ele o imperador

Aqui é onde o Sol mora

A lua vem toda noite

Com o Sol aqui namora

A natureza convence

O forte teresinense

Resiste e não vai embora.

 

Meu amor disse agora

É hora vamos andar

Passear pela cidade

Nós dois vamos turistar

Vamos embora meu santo

Conhecer todo encanto

E mistérios do lugar.

 

Então eu fui visitar

Tudo surpresa pra mim

Andei na João Vinte e três

Passei na Frei Serafim

Lembro a ponte JK

Na capa do cordel já

Dar pra ver que foi assim.

 

Foi para isso que eu vim

Pra conhecer por inteiro

Essa terra é torrão

De um grande pariceiro

Aqui tem Bruno Lustosa

E Bruno Alves Feitosa

Que só me chama guerreiro.

 

Vem cá Bruno cangaceiro

Que na cultura aposta

Lustosa é fã de Raul

Do Rei do Rock ele gosta

Feitosa está na ativa

República alternativa

Todo dia ele posta.

 

Piauí de Pedro Costa

E do Frank Aguiar

De Maria Inglaterra

Que faz a terra brilhar

Aqui já morou Chambinho

Falando mostra o carinho

Que tem por este lugar

 

Na cultura vou citar

Torquato Neto o ator

Jornalista e letrista

De excepcional valor

Outro bom que conheci

Lázaro do Piauí

Um grande compositor.

 

Teresina do doutor

Pesquisador e docente

Grande Wilson Seraine

Um produtor competente

Grande memorialista

Também como radialista

Mostra a cultura da gente.

 

 

Seraine filho à frente

De uma grande missão

Ouço na Rádio Cultura

Toda a programação

Na quinta ele apresenta

O Programa e comenta

Hora do Rei do Baião.

 

Gonzaga apóia o povão 

Que exalta seu Estado

Viva Pisa na Fulô

O Baião sapateado

Rodas de São Benedito

Tudo isso é bonito

São Gonçalo e Reisado.

 

Cada local visitado

Não sei qual o mais bonito

Estive num lindo templo

Igreja São Benedito

E do teatro eu lembro

Fui ao quatro de setembro  

É tão lindo admito.

 

Outro local que eu cito

Como lugar ideal

É o encontro dos rios

O Parque ambiental

Na central do artesanato 

Mestre Dezinho de fato

Foi um grande maioral.

 

Vi o marco inicial

Lá na Praça da Bandeira

E pra forrar a barriga 

Não precisa choradeira

Estive no Restaurante 

Lá no barco flutuante     

Dessa terra altaneira.

 

Minha cidade guerreira

Valente cabra da peste

Onde cada sertanejo

De forte passou no teste

Acho que Euclides da Cunha

Usou-nos de testemunha

Na sua fala inconteste.

 

Já andei todo Nordeste

E aqui eu descobri

A residência do sol

É aqui no Piauí

Na terra da cajuína

No calor de Teresina

É mina eu percebi.

 

Raios de sol sobre ti

Esse teu verde pujante

A moldura de teus rios

Vi todo teu horizonte

Ô musa do Piauí

Confesso que disse ali

Você é tão cativante.

 

Lá de cima do mirante

Por mim eras contemplada

A minha amada comigo

Ficou tão enciumada

Quando falei pra você

Como te amo Therê

Lá da ponte estaiada. 

 

Ela desceu chateada

Sei que a culpa foi minha

Por eu não expliquei

Ao meu amor Terezinha

Jamais disse à carpina

Declarei-me a Teresina 

Por isso houve a briguinha.

 

Mas um beijo na boquinha

A confusão foi desfeita

Afinal com o amor

Muita coisa se endireita 

Teresina é paixão

O coração tem razão

Por isso tudo enfeita.

 

Das confidências já feitas

De um velho tamarineiro

Que do poeta tornou-se

Amigo e companheiro

Testemunha da História

Contou-me de toda glória

Desse torrão brasileiro.

 

Eu era só forasteiro

Quando cheguei por aqui

Mas você já percebeu

Lendo o que escrevi

Minha alma se derrama

Meu coração só te ama

Teresina, Piauí.

 

Passando aqui aprendi

Repito o que o povo diz

Quem mora em Teresina

De alegre sempre diz

É uma felicidade

Morar em uma cidade

Com nome de Imperatriz.

 

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!