Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
O criativo “Maestro Forró” do Carnaval de Pernambuco
05/02/2021 09:39 em Carnaval de Pernambuco

Francisco Amâncio da Silva, nascido no Recife no dia 14 de outubro de 1974,  já tocava zabumba, aos 5 anos de idade. Quando criança convivia com as manifestações culturais que “passavam” na rua onde morava: reisados, caboclinhos, maracatus, repentistas e forrozeiros como o proprio pai, José Amâncio da Silva, conhecido como Zé Amâncio do Coco.  

Maestro Forró aprendeu a gostar de música com o pai que por sua vez aprendeu a tocar coco de roda com a mãe, se inspirou também no seu irmão Givanildo Amâncio que toca tuba, trompete e fagote. Foi por causa de seu irmão que ele se apaixonou pelo trompete.  O apelido veio da época em que ainda muito jovem demonstrava ter muito conhecimento sobre músicas de forró  fruto da convivência com seu pai.

No início dos anos 1990 foi convidado a encenar como ator de teatro, fato que foi fundamental para fortalecer sua experiência com a música e a dança já que, segundo o próprio Maestro trabalhar com ótimos atores e diretores melhorou sua “performance”. A experiência com o teatro, porém, durou pouco tempo.  A partir de meados do mesmo ano passou a dar aulas de música e a viajar pela Europa. Atuou como arranjador e diretor musical em vários grupos, mesclando estilos e ritmos. Seu trabalho ganhou projeção quando passou a fazer turnês nacionais e internacionais com o Maracatu Nação Pernambuco. Com o grupo esteve na Europa, China e Estados Unidos.

O artista que aprofundou os seus conhecimentos musicais na Universidade Federal da Paraíba, pretendia desmistificar a figura do maestro que usa fraque e mantém certa distância do público e até mesmo dos próprios músicos, no entanto, reconhece que faz parte da cultura deste meio artístico.

Sentindo a necessidade de transformar misturas rítmicas em som, abriu sua casa para os ensaios em 2002, foi quando surgiu a Orquestra Popular da Bomba do Hemetério. Esse grupo começou a trabalhar com o Maestro Forró continuando o trabalho que ele começou na Europa de pesquisa, releitura e interação dos ritmos relacionando as novas expressões culturais com as questões de cidadania.  Em menos de um ano, de forma independente, conseguiram lançar dois CDS e um DVD.

 

A “performance”  cheia de gestos e pulos com que Maestro Forró rege a Orquestra Popular da Bomba do Hemetério fez com que o músico ganhasse notoriedade, se destacando sobretudo na época do carnaval.

Em 2012, cerca de 41 artistas brasileiros  receberam a Medalha da Ordem do Mérito Cultural no Palácio do Planalto em Brasília, entre eles estava também o Maestro Forró, que recebeu a Medalha das mãos da então Presidente do Brasil Dilma Rousseff.  Em 2018 foi agraciado a maior comenda da Câmara do Recife - a Medalha do Mérito José Mariano, em reconhecimento à sua inegável contribuição para a arte e cultura não apenas da cidade do Recife como de todo o Estado de Pernambuco e do Brasil, por unir o erudito ao popular e dar maior expressividade às apresentações com suas performances criativas e inusitadas.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!