Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Entrevista com Sergio Henrique sobre a Banda PKS
30/03/2016 16:07 em Entrevistas

"A nossa proposta de trabalho é fazer um forrozinho diferente com uma pegada legal e misturando com outros ritmos atendendo ao público de todas as idades"

 

Como nasceu a banda PKS? Explique um pouco da história e o nome da Banda. 

 Eu (Sérgio Henrique), comecei fazendo um trabalho de barzinho (voz e violão) a pedidos de amigos comerciantes para aumentar o movimento do bar. Sempre gostei de tocar com acompanhamento e fiz o convite a Kocada (baterista) para fazer este trabalho comigo. Depois de meses, convidamos Paulo Moreno (baixista) para se juntar a nós e até então o nome era Sérgio Henrique & banda. Recebi um convite de apresentação em um evento de prefeitura e como tocávamos ritmos variados resolvemos neste dia representar o forró (regional), pois neste dia não tinha banda com este gênero no evento. Tivemos que chamar mais músicos para este dia e incluímos mais instrumentos ZABUMBA, TRIÂNGULO, SANFONA, FLAUTA e agradamos ao público presente. Daí surgiu a ideia da banda de forró e qual seria o nome? Veio a ideia das letras iniciais dos nomes artísticos dos três fundadores P (Paulo Moreno), K (Kocada) e S (Sérgio Henrique), BANDA PKS.

 

Qual a formação?  

Hoje os músicos fixos da banda são: Sérgio Henrique (voz e violão); Paulo Moreno (baixo); Arnaldinho (Flauta transversal); Kocada (bateria); Rogério (zabumba e efeitos). Para o show contratamos um sanfoneiro ou um tecladista que são nossos Parceiros.

 

Quanto tempo na Estrada? 

A banda PKS, surgiu em 11/04/2011 já temos um pouco mais de 04 anos.

  

Vocês fazem um forró bem dançante, e define como um Forró Universitário. Más o que é o Forró Universitário? 

Na verdade, a nossa base é o forró pé-de-serra o nosso repertório é bem nordestino. Porém fazemos uma pegada com uma mistura de ritmos que diferencia um pouco do tradicional pé-de-serra que costumamos ouvir. Esse estilo de tocar o pé-de-serra é chamado em outras regiões de forró universitário, que podemos citar como exemplos a banda Falamansa, Rastapé e outras. Fazemos também algumas adaptações de músicas de outros gêneros e trazemos para o nosso repertório.

 

A banda tem composições próprias?  

Sim. Lenha na fogueira ( música de trabalho ), Enfrento o chão ( título do 2º CD ), Escravo do amor, Quando eu te vejo , só danço com você. A música Escravo do amor ( Sérgio Henrique / Arthur Netto ) e as demais são de Paulo Moreno, baixista e um dos fundadores da banda PKS.

 

Os forrozeiros sempre tem muita dificuldade para arrumar shows e festas. A PKS também enfrenta este problema? 

 Nos meses de junho e dezembro nós conseguimos fechar uma quantidade satisfatória de shows. Nos outros meses do ano, fechamos menos shows.

 

Vocês têm influÊncias de outros músicos? Quais?

 Quando se fala em forró já estamos falando do rei Luiz Gonzaga. Escutamos também Dominguinhos, Petrúcio Amorim, Jorge de Altinho, Alcymar Monteiro, Elba Ramalho, Gilberto Gil, Quinteto Violado, santana,  Falamansa e outros. Tem artistas que nem temos músicas deles no repertório, mas nos inspiram pela forma que se comportam no palco, profissionalismo, forma que respeitam o seu público e demais artistas, pela garra que enfrentam tantas dificuldades no meio musical.

 

Quais são os planos futuros da banda?

 Ainda não sabemos quando, mas lançar o 3º CD está na lista. Divulgar cada vez mais o nosso trabalho e dar o nosso melhor para o público. E sem dúvida, continuar esta parceria com o site forrozeiros PE que vem dando bons resultados.

 

Para encerrar a nossa entrevista, deixe uma mensagem para seus fãs… 

Agradecemos a todos eles pelo carinho  e por estarem sempre nos apoiando e contribuindo sempre conosco. A banda PKS agradece a Deus, aos fãs, familiares, amigos e parceiros. 

 

CONTATOS PARA SHOWS: (81) 98598-8649

COMENTÁRIOS