Volume
Rádio Offline
Redes
Sociais
Entrevista com Ivan Ferraz
30/03/2016 15:16 em Entrevistas

Quem o estimulou a gostar do forró? Alguém da família? 

Eu sempre ouvia minha mãe cantar e ela tocava inclusive muito bem bandolim, foi uma cantora profissional. Mãe, cantava em casa pra família e eu acredito que aquilo me estimulou muito. Eu vivi num ambiente musical.

Para chegar onde está como foi a batalha?

Foi grande, sempre acreditando no objetivo e todo dia eu começo, todo dia estou começando. As conquistas vão surgindo com muita batalha. O próprio Luiz Gonzaga lutou muito pra chegar onde chegou.


Você se sente mais realizado como cantor, compositor ou como comunicador? 

Na verdade eu comecei como cantor, eu gravei primeiro na Mocambo Rosembrick em 1977 na época era um compacto duplo e quando eu vim começar a trabalhar em rádio foi em 81 e isso surgiu através de um amigo meu da Jovem Cap, Humberto Sodré, um dos proprietários de lá, filho do dono da Rádio Capibaribe Jovem Cap, me convidou, trabalhamos juntos e me ofereceu um espaço para que eu começasse a trabalhar na rádio até rejeitei dizendo que nunca tinha trabalhado. Más ele disse que, eu ia aprender, “você gosta de música”, eu já demonstrava assim muita preocupação em pesquisar, estudar a história da música popular brasileira então veio depois. O cantor veio primeiro.

 Quantos discos já gravados? 

Já gravei nove LPs. Fiz um compacto duplo e um LP na Rosembrick, gravei mais um LP na gravadora Esquema no Rio de Janeiro, dois na gravadora Copacabana, na Gravadora Chantecler em São Paulo e gravei na Poligran e depois na Polidisc. Nove Lps e nove Cds. O mais recente é titulado “Eu e Gonzagão” uma coletânea de várias músicas que eu gravei e uma homenagem a Gonzagão. 

Na sua opinião, o forró é bem divulgado nas emissoras de rádio? 

Atualmente eu acho que não. Porque houve um período que todas as emissoras de rádio elas mantinham um programa de forró de manhã ou a tarde, e hoje nem todas as emissoras de rádio tem um horário dedicado a música nordestina. Então acho que são poucas as emissoras, a gente precisa de mais espaços para o nosso forró.

 

Gonzagão recebeu justas e merecidas homenagens em vida ou isso só no centenário de seu nascimento? 

Luiz Gonzaga encontrou sempre muita dificuldade, eu acho que agora veio um reconhecimento um pouco tarde, más chegou. Foi muito importante as homenagens que aconteceram para Luiz Gonzaga porque a batalha dele foi grande para que sua musica fosse reconhecida, par que ele fosse valorizado e terminou conquistando o público e a coroa de Rei do Baião. É um exemplo para todos nós, um exemplo de resistência, até porque quando ele começou não foi aceito como cantor na gravadora, passou quase cinco anos como instrumentista, depois  quando ele resolveu colocar um gibão e chapéu de couro foi rejeitado também na Rádio Nacional no programa de auditório, porque acharam que aquela roupa era agressiva, que representava mais o Lampião, a história dos cangaceiros. E ele resistiu, não aqui é uma indumentária que representa o Nordeste, o nosso vaqueiro, lembra também Lampião,   mais é uma indumentária chapéu e gibão de couro lembrando o Nordeste e ele ganhou essa batalha. Então eu tenho Luiz Gonzaga como símbolo da resistência que conquistou e ele estaria muito feliz se tivesse recebido em vida as homenagens do centenário já em outra dimensão.

Como o senhor conheceu Gonzagão? 

Luiz Gonzaga eu conheci quando tinha 16 anos lá na minha cidade em Floresta, ele cantando em praça pública, um coreto que ainda existe na praça principal da cidade. Eu ouvia Luiz Gonzaga tocando nas emissoras de rádio, naquela época eram poucas: Pra8, Rádio Jornal, Rádio Nacional no interior não existia emissoras, más a gente sintonizava, era um nome Luiz Gonzaga. E de repente eu vi ele na minha frente, em 1956 muito emocionante!

Ivan Ferraz tem planos para o futuro? 

Todo dia estou começando a minha batalha. O plano era que eu fosse mais reconhecido, cada vez mais você quer um reconhecimento. A gente pra fazer um show é um dificuldade muito grande, então tudo é muito difícil. Eu procuro ajudar todo mundo, porque eu sinto a dificuldade dos artistas que estão começando agora passam e eu passo essa dificuldade do mesmo jeito. A dificuldade é muita. Então seria bom que os órgãos que cuidam de shows observasse mais quem é quem da cultura pernambucana e não dificultasse tanto a nossa trajetória, em mostrar o nosso trabalho ao público. 

 Como nasceu o Espaço Cultural Dominguinhos?

O Espaço Cultural Dominguinhos foi uma idéia que deu certo. Eu fui convidado por uns amigos da diretoria da Associação dos Servidores da Sudene no bairro do Engenho do Meio em Recife e me veio a intenção de homenagear Dominguinhos, onde pedi permissão à ele que aceitou dizendo que “você está me homenageando Ivan, só tenho o que agradecer a você. Comece o trabalho e eu vou lá”. Na verdade ele foi, nós inauguramos dia 17 de março de 2012, ele não pôde comparecer más mandou Liv a sua filha que participou da inauguração do Espaço Cultural Dominguinhos. E um ou dois meses depois, Dominguinhos foi participar da nossa festa e recebeu uma homenagem muito bonita e o carinho do público e ficou de voltar em janeiro de 2013 quando adoeceu e não pode comparecer mais. 

 Deixe uma mensagem para seus fãs, admiradores de sua carreira. E aqueles artistas que estão no inicio da carreira e já pensando em desistir. 

A minha mensagem que eu deixo é que não desista jamais. Enfrente a dificuldade, elas existem para a gente enfrentar, às vezes a gente fica depressivo, a gente fica desanimado, querendo parar, mas a gente encontra uma dificuldade aqui, a porta se fecha e outra se abre. Então, quantas manifestações eu recebo de carinho e reconhecimento, então essas manifestações elas dão forças a gente continuar. Ai a gente esquece as dificuldades e vai em frente porque a gente observa que tem muita gente ao nosso lado. Então continue se você tem um objetivo, você quer vencer na vida artística, enfrente porque o bom é a vitoria lá na frente que você vai conseguir.

COMENTÁRIOS