Patrimônios Vivos de Pernambuco são titulados no Teatro de Santa Isabel
22/08/2023 19:54 em Notícias

O Dia Nacional do Patrimônio Histórico, comemorado nesta quarta-feira (17), é a maior celebração da Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco, que chega à sua 16ª edição e, mais uma vez, contou nesta data com a titulação dos dez novos Patrimônios Vivos do Estado. O evento, promovido pelo Governo de Pernambuco, por meio da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), foi realizado no Teatro de Santa Isabel, no Bairro de Santo Antônio, e contou com a presença da governadora de Pernambuco, Raquel Lyra, e da vice-governadora Priscila Krause, além de secretários, deputados estaduais e prefeitos pernambucanos. Na ocasião, também foram entregues os prêmios aos vencedores da 8ª edição do Prêmio Ayrton de Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural.

Morgana Narjara/Secult-PE/Fundarpe

Morgana Narjara/Secult-PE/Fundarpe

A governadora Raquel Lya participou da solenidade e ressaltou a importância da realização da Semana do Patrimônio Cultural para a preservação dos patrimônios pernambucanos

“Que honra estar aqui no palco que é de vocês. Obrigada por permitir que eu pudesse estar aqui nesse dia de hoje. Para mim, este é um momento muito especial de poder garantir a salvaguarda dos nossos patrimônios. A Semana do Patrimônio Cultural não é uma semana de celebrações, é uma semana de reflexão e de reconhecimento sobre o que já fizeram por nós e o que nós precisamos fazer para poder garantir, como política pública, a preservação da nossa história e das nossas tradições. Reconhecer o trabalho que vem da terra, do chão, de muitas lutas e de muitas gerações”, destacou a governadora Raquel Lyra.

“Sim, somos grandes. Sim, somos um país. Porque nenhum lugar do mundo tem a cultura do povo pernambucano. Aqui é a terra do Carnaval, do forró, do São João. É terra das tradições que estão representadas aqui. É terra da arte, dos brincantes. É terra do cinema reconhecido mundialmente. E que bom que novas gerações vêm para poder garantir que a gente possa continuar sempre contando as nossas histórias”, disse Raquel Lyra.

Morgana Narjara/Secult-PE/Fundarpe

Morgana Narjara/Secult-PE/Fundarpe

Renata Borba, secretária de Cultura interina e presidente da Fundarpe, celebrou mais uma edição da Semana do Patrimônio

Secretária de Cultura interina e presidente da Fundarpe, Renata Borba celebrou mais uma edição da Semana do Patrimônio. “Chegamos a mais um dia 17 de agosto, Dia Nacional do Patrimônio Cultural, carregado de emoções. Para tornar o dia ainda mais mágico, entregamos os títulos aos dez novos Patrimônios Vivos do nosso estado, que é pioneiro nesse instrumento de registro e já soma 95 titulados, distribuídos nas quatro macrorregiões do estado”.

“Além do reconhecimento de seus trabalhos, esses mestres, mestras e grupos assumem o compromisso de transmitir seus saberes, suas tradições às gerações do presente e do futuro. Uma prova que isso já está em andamento e estamos tendo os bons resultados é a presença de crianças e de jovens aqui no Teatro de Santa Isabel”, disse Renata Borba, se dirigindo aos alunos das Escolas de Referência em Ensino Médio Liceu e Ginásio Pernambucano, presentes na solenidade.

Felipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Felipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Solenidade contou com a presença dos dez novos Patrimônios Vivos de Pernambuco, que receberam seus títulos das mãos das autoridades presentes na solenidade

Os dez Patrimônios Vivos de Pernambuco titulados nesta quinta-feira (17) foram: As Cantadeiras do Povo Indígena Pankararu, de Tacaratu (Sertão de Itaparica); Afoxé Alafin Oyó, de Olinda (Região Metropolitana do Recife); Reisado da Comunidade Quilombola do Saruê, de Santa Maria da Boa Vista (Sertão do São Francisco); Caboclinho Canindé de Goiana (Zona da Mata Norte); Troça Carnavalesca Pitombeira dos Quatro Cantos, de Olinda (Região Metropolitana do Recife); Assisão, de Serra Talhada (Sertão do Pajeú); Coco de Roda Negros e Negras do Leitão da Carapuça, de Afogados da Ingazeira (Sertão do Pajeú); Mestra Nilza Bezerra da Bonequinha da Sorte de Gravatá (Agreste Central); Ilé Axé Oxalá Talabi, de Paulista (Região Metropolitana do Recife); e Mestra Vera Brito, de Vicência (Zona da Mata Norte).

Representando As Cantadeiras do Povo Indígena Pankararu, Dona Bárbara, ao lado de Dona Dinda, fez seus agradecimentos. “Estamos pedindo paz, felicidade e alegria. Sou da etnia Pankararu, do município de Tacaratu. Trabalhamos na tradição há muito tempo, desde a década de 40, e estamos aqui para agradecer a todos vocês e a todas as mulheres do Brasil. Nós lutamos por essa força, essa força que nos deixa de pé”, comemorou Dona Bárbara.

Felipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Felipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Representando As Cantadeiras do Povo Indígena Pankararu, um dos dez novos Patrimônios Vivos de Pernambuco, Dona Bárbara, ao lado de Dona Dinda, fez seus agradecimentos para o público presente

Outro momento da cerimônia foi a entrega do Prêmio Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural de Pernambuco, que tem como objetivo a seleção e a premiação de ações exemplares voltadas à proteção, preservação, conservação e salvaguarda do patrimônio cultural, de natureza material e imaterial, em todas as macrorregiões do Estado. O primeiro lugar de cada categoria recebeu R$ 20 mil e o segundo R$ 10 mil.

Participaram da entrega representantes dos primeiros e segundos colocados nas três categorias do 8º Prêmio Ayrton Almeida de Carvalho. Na categoria Formação, o 1º lugar foi representado por Ricardo Araújo, com o projeto Marcas do Passado. Na 2ª colocação, a iniciativa Pequenos Brincantes, representada por Cirlene do Nascimento; na categoria Promoção e Difusão, em primeiro lugar ficou o Cinema do Interior, por Antonio Marcos de Carvalho, e o Cabocolino, de João Marcelo, em segundo lugar; já na categoria Acervos Documentais e Memória Cultural, o primeiro lugar foi para a ação Malassombros, representado por José Manoel Sobrinho.

 

Felipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Felipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Antonio Marcos de Carvalho, do projeto Cinema do Interior, representou os vencedores da 8ª edição do Prêmio Ayrton de Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural

SEMANA DO PATRIMÔNIO – Com uma série de ações gratuitas como palestras, seminários, debates e encontros temáticos, a 16ª Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco conta com a participação de 25 municípios pernambucanos e diversos parceiros nesta 16ª edição. A programação completa está disponível aqui.

 

Confira uma minibiografia dos dez novos Patrimônios Vivos de Pernambuco:

Reprodução/Internet

As Cantadeiras do Povo Indígena Pankararu

As cantantes da tribo indígena Pankararu, comunidade localizada no município de Jatobá, no Sertão de Itaparica, perpetuam a cultura oral do grupo de forma ritualística através de seus cantos. São mulheres que durante séculos fizeram e fazem soar as tradições ancestrais. A mestra sacerdotisa, detentora de saberes culturais originários orais, é conhecida em seu povo por Dona Dida. Aos doze anos de idade, recebeu a missão ancestral de ser a guardiã das cantantes, conhecida pela tradição da Boca Velha. Nela, as mulheres são preparadas ritualisticamente, de forma que uma mais velha cante com uma mais nova, representando assim as relações intergeracionais de transmissão do saber. Dona Dida é considerada a mestra anciã acompanhada de Dona Barbinha. Elas entoam todos os rituais sagrados como as promessas, as chamadas brincadeiras, como as do “Menino do Rancho”, e o Toré. Dona Dida e Dona Barbinha participam de todos os rituais, juntas, coletivamente, para isso precisam das bênçãos da mãe natureza como uma forma de proteção e força.

Divulgação

Afoxé Alafin Oyó

Nascido oficialmente no dia 2 de março de 1986, em Olinda, o Afoxé Alafin Oyó é grande referência das expressões artísticas culturais afro-brasileiras de Pernambuco. Seus fundadores, que mantinham um estreito elo com o Movimento Negro Unificado (MNU), estabeleceram como objetivo do grupo a divulgação e perpetuação da cultura-religiosa, símbolo maior da cultura negra pernambucana. As letras de suas músicas clamam os sentimentos, as lutas, a religiosidade e a esperança do povo negro, embaladas ao envolvente e dançante ritmo Ijexá (Ketu). Sua indumentária faz referência às antigas cortes africanas. Toda essa herança cultural traduz-se na ginga do Balé Alafin Oyó e sua ancestralidade reside nas antigas Nações Africanas de Pernambuco. O Alafin é também popularmente conhecido como “O Afro das Olindas”.  A sede do grupo é Ponto de Cultura, pelo Ministério da Cultura, desde 2004, e frequentemente está envolvido em ações da Consciência Negra, além da participação em diversos festivais e eventos ao redor do Estado e do País.

Divulgação

Reisado da Comunidade Quilombola do Saruê

Criada em 1965, o Reisado da Comunidade Quilombola do Saruê é um grupo de origem das antigas tradições dos reisados do sertão, mantendo a continuidade para novas gerações de brincantes no quilombo de Saruê, em Santa Maria da Boa Vista, Sertão do São Francisco. Além da brincadeira, o grupo tem como parte de sua história a luta quilombola pelo reconhecimento do território.

Divulgação

Caboclinho Canidé de Goiana

Criado em 15 de julho de 1971, o Caboclinho Canidé de Goiana, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, é um dos grupos mais antigos ligados à expressão cultural Caboclinhos, reconhecida como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil, segundo o Iphan. Ao longo de sua existência, participou de vários concursos e recebeu medalhas de reconhecimento pela apresentação, tempo de atividade e tradição. Composta por homens e mulheres de diferentes idades, a agremiação confecciona seus trajes e transmite a outras gerações para outros brincantes.

Divulgação

Troça Carnavalesca Pitombeira dos Quatro Cantos

Em plena efervescência dos festejos do Momo, no dia 17 de fevereiro de 1947, um grupo de jovens saía pelas ruas e ladeiras do Sítio Histórico de Olinda, um dos berços do Carnaval pernambucano, carregando galhos de pitombeira e celebrando a temporada de folia. Dava-se início, assim, a um dos grupos mais emblemáticos da folia de Pernambuco, a Pitombeira dos Quatro Cantos. Difícil quem não conheça seu hino, composto por um de seus fundadores, Alex Caldas, que diz: Nós somos da pitombeira, não brincamos muito mal, se a turma não saísse, não havia carnaval [...]”. Sua sede, localizada na Rua 27 de Janeiro, em Olinda, é ponto de encontro semanal de foliões e foliãs. Hermes Cristo Neto (Herminho), assume o comando da agremiação que integra e fortalece a identidade cultural do Estado.]

Elimar Caranguejo/Secult-PE/FundarpeElimar Caranguejo/Secult-PE/Fundarpe

Assisão

Natural de Serra Talhada, Sertão do Pajeú, Assisão é conhecido como uma das referências mais notórias da manifestação cultural que ajuda a compor o Patrimônio Cultural Imaterial Matrizes do Forró. Intérprete e compositor, ele contribui para a continuidade na divulgação do forró tradicional por meio de suas apresentações e entrevistas em festas e mídias que têm grande alcance de público, não apenas em sua região, mas fora dela.

Morgana Narjara/Secult-PE/FundarpeMorgana Narjara/Secult-PE/Fundarpe

Coco de Roda Negras e Negros do Leitão da Carapuça

Leitão da Carapuça, comunidade quilombola localizada em Afogados da Ingazeira, no Sertão do Pajeú, abriga o Coco de Roda Negras e Negros do Leitão da Carapuça, com mais de cem anos de existência. Neto de um dos fundadores do grupo, o agricultor Sebastião José da Silva lidera a brincadeira, símbolo de resistência e tradição, cujos ensaios ocorrem semanalmente em sua casa. Formado por cerca de 20 pessoas, dentre as quais mulheres, homens e jovens, o Coco de Roda Negras e Negros do Leitão da Carapuça tem um disco gravado, e participam sobretudo de festivais que ocorrem no Sertão de Pernambuco.

Mestra Nilza Bezerra da Bonequinha da Sorte de GravatáMestra Nilza Bezerra da Bonequinha da Sorte de Gravatá

Mestra Nilza Bezerra da Bonequinha da Sorte de Gravatá

Nilza Bezerra da Silva, de Gravatá, Agreste Central, começou confeccionando bonecas em sua infância para brincar com as suas irmãs. Costuradas a mão e com cerca de 2cm, as bonequinhas da sorte de Gravatá são conhecidas como amuletos e procuradas nacional e internacionalmente, e desta forma contribuem para a divulgação do artesanato da região. Mestra Nilza também faz parte de projetos que ajudam outras mulheres a empreender, formando outras artesãs no Estado.

Uenni Mirielle/Divulgação

Ilé Axé Oxalá Talabi

A Associação Beneficente, Cultural e Religiosa Ilê Axé Oxalá Talabi está associada ao terreiro Ilê Oxalá Talabi, em Paulista, e dá continuidade às tradições através de formações atreladas ao combate ao racismo e o respeito às religiosidades de matriz africana. Além disso, promove a divulgação de expressões artísticas, festividades e também a promoção de vivências realizadas por meio da oralidade, da gastronomia tradicional dos orixás e da produção de horta comunitária, com o cultivo de mudas de árvores frutíferas sagradas para serem compartilhadas com outros terreiros.

Felipe Souto Maior/Secult-PE/FundarpeFelipe Souto Maior/Secult-PE/Fundarpe

Mestra Vera Brito

A artesã Vera Lucia de Oliveira Brito, natural de Vicência, Zona da Mata Norte de Pernambuco, produz sua arte através da palha rústica da bananeira desde criança. Começou produzindo embalagens para o seu pai, que fazia doce de banana. As suas bonecas, que vem da palha de banana, surgem quando ela foi aprimorando suas técnicas e assim criando em todos os formatos e tamanhos.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!