Lumiar vence o Festival de Quadrilhas Juninas da Globo em 2018 e representa PE na final regional
22/06/2018 22:15 em Notícias

A final estadual foi disputada por dez equipes, no domingo (17), no Sesc Goiana. Também foram eleitos melhor marcador, melhor destaque e melhor casamento.  

Por Cacyone Gomes, TV Globo

A campeã do Festival de Quadrilhas Juninas da Globo em 2018. O grupo do bairro de Brasília Teimosa, na Zona Sul do Recife, apresentou o tema “Solteira é que não fico”, sobre simpatias, orações, adivinhações e a ajuda de Santo Antônio. Na disputa ocorrida no domingo (17), na quadra do Sesc Goiana, a vencedora conquistou o prêmio de R$ 12 mil e representa o estado no Festival de Quadrilhas Juninas do Nordeste, no domingo (24). (Veja vídeo)

 

Confira as notas de cada quadrilha durante as eliminatórias 

Confira a notas de cada quadrilha da etapa final estadual

 

Em segundo lugar, ficou a quadrilha junina Tradição, do Morro da Conceição, na Zona Norte do Recife, que apresentou a história de dois sertanejos, Chicão e Joara, que perderam uma aposta para Lampião e viajaram até Saruê, em busca de um rio de leite para pagar a aposta. O enredo "São João em Saruê" é inspirado no poema “A viagem ao país de Saruê", do escritor paraibano Manuel Camilo dos Santos, e deu ao grupo o prêmio de R$ 10 mil.

Em terceiro lugar e contemplada com prêmio de R$ 7 mil, ficou a quadrilha junina Traque, do bairro de Santo Amaro, na área central do Recife, com o tema "Buscafé". Os integrantes mostraram, com humor, a devoção aos santos e o esplendor dos festejos juninos diante de quem não aceita a festa religiosa. A ideia foi promover a tolerância, o respeito e a valorização da cultura nordestina.

Em quarto lugar, foi eleita a Quadrilha Origem Nordestina, do Morro da Conceição, com o tema “Rainha, o casamento de oxum”, que conta a história de um casal formado por uma jovem católica e um filho de um terreiro de candomblé. A quadrilha Evolução, do bairro de Santo Antônio, no Centro do Recife, ficou com a quinta colocação, e trouxe uma reflexão sobre o fim da escravidão e os 130 anos da Lei Áurea, com o tema “Bravos”.

Participaram da final dez equipes classificadas ao longo de seis dias de seletivas, realizadas no domingo (10), na segunda (11), na terça (12), na quarta (13), na quinta (14) e na sexta (15). Os 12 jurados da competição avaliaram o desempenho dos grupos baseados em seis critérios: repertório musical, coreografia, figurino, casamento, marcador e conjunto. 

Na noite da final, também foram eleitos o melhor marcador: Sérgio Trindade, da quadrilha Dona Matuta, do bairro de San Martin, na Zona Oeste do Recife; o melhor destaque: da quadrilha Matutata, do bairro do Pacheco, em Jaboatão dos Guararapes, na Região Metropolitana; e o melhor casamento: da quadrilha Mandacaru Limoeiro, do Agreste pernambucano.

A quadrilha Tradição, do Morro da Conceição, no Recife, foi a segunda colocada no Festival de Quadrilhas Juninas da Globo 2018.

Os troféus da final, feitos em acrílico, foram confeccionados no laboratório LOUCOS, em parceria entre o Porto Digital e os designers gráficos da TV Globo.

Ainda se apresentaram na noite da final outras cinco quadrilhas: Zé Matuto, de São Lourenço da Mata; Zabumba, de Camaragibe, na Região Metropolitana; Evolução, do bairro de Santo Amaro, noRecife; e a quadrilha Renascer, de Araçoiaba. Ao total, 45 equipes se inscreveram no festival.

 

Traque, de Santo Amaro, no Recife, ficou em terceiro lugar no Festival de Quadrilhas Juninas da Globo 2018.

COMENTÁRIOS